Postagens

Mostrando postagens de 2011

LUZ

Imagem
No meio da escuridão existe a luz, a nossa luz própria... que só é apagada por nós mesmos quando o céu vira inferno e nos percebemos frágeis diante de mudanças às vezes necessárias a nossa existência.
Quando nos percebemos frágeis diante de uma situação que muitas vezes criamos, pois tudo na vida é fruto de nossa “criação”, até mesmo os nossos “desafetos”, que só existem porque nos importamos com algo ou com alguém que simplesmente não deveria ter tanta importância... e reclamamos do “fruto” dessa tão falada imaginação que se transforma em fruto de nossa “insatisfação”.
Medos, fantasmas, inquietações e desconfortos, são monstros internos que criamos para nos proteger de nós mesmos, quando não temos a real coragem de ser realmente quem somos para seguir a “perfeição de outrem”.
Nos moldamos, quase sempre, a alguém e a alguma coisa, esquecendo de nos moldar a nosso próprio molde, a nosso próprio SER.
Falei, falei e não entendi e não devo ter me feito entender NADA, porque talvez no nada e…

EXIT

Imagem
Só nos tornamos adultos quando perdemos o medo de errar. Não somos apenas a soma das nossas escolhas, mas também das nossas renúncias.
Crescer é tomar decisões e depois conviver em paz com a dúvida. Adolescentes prorrogam suas escolhas porque querem ter certeza absoluta - errar lhes parece a morte. Adultos sabem que nunca terão certeza absoluta de nada, e sabem também que só a morte física é definitiva. Já "morreram" diante de fracassos e frustrações, e voltaram pra vida.
Ao entender que é normal morrer várias vezes numa única existência, perdemos o medo - e finalmente crescemos.

Martha Medeiros



Quem vai saber se errei, se acertei em escolhas e caminhos que tracei para minnha vida... não sei... só sei que mesmo quebrando a cara, caindo, estou sempre seguindo... Algumas vezes com lágrimas nós olhos, mas seguindo e começando tudo de novo... um dia, quem sabe... EU ACERTO!!!



QUANDO AS PALAVRAS FALTAM...

Imagem
Me deu uma enorme vontade de escrever sobre este tema. Não posso dizer que foi do “nada” que essa vontade me veio a cabeça, posso dizer com toda a certeza do mundo que este é o meu momento atual e deve ter sido um “momento” também de muitos que por aqui devem passar.
Pois bem, o que resta nos saber não é quando essas tais palavras nos faltam e sim, por que essas palavras nos faltam.
No meu momento elas me faltam porque não há o que eu diga que faça alguém entender o que quero dizer ou mesmo senti-las. Afinal, as palavras são minhas e são vagas no meu vasto desentendimento.
Sim, desentendimento, porque por mais que eu fale não consigo alcançar o meu objetivo ao dizê-las.
A comunicação nem sempre é clara não quando o “outro” é analfabeto ou desconhece a nossa língua, a comunicação é falha quando o outro não tem a percepção do que queremos dizer, pura e simplesmente por não estar interessado em entender ou mesmo sem sentir... Sim, palavras devem ser SENTIDAS muitas vezes, não só ouvidas.
É o …

(...)

Imagem
A vida é um eterno três pontinhos. Uma doce e amarga reticências... O ponto final não existe, a vírgula serve apenas para pausa, o ponto e vírgula para tentar amenizar o longo e o pesado dia-a-dia, a exclamação para dar emoção e a interrogação para questionar o que não sabemos responder... Somente os três pontinhos são reais. São reais porque por mais que tomemos decisões, coloquemos pontos finais, pausemos para refletir, seguirmos tropeçando em ponto e vírgulas, ou mesmo, colocando exclamações para dar vida e emoções aos nossos dias, somente os três pontinhos significam o obscuro amanhã. Não temos como definir o que não sabemos. Podemos planejar, orquestrar, colocar metas, focos, tomar decisões, mas a certeza de que tudo isso acontecerá, ou não, depende desses três únicos pontinhos... E então, seguimos sem saber... Como o tão famoso samba-enredo: ” Como será o amanhã? Responda quem puder...” Ninguém pode responder pelo amanhã, dúbio e vago. Somente nos resta deixar esses três pontos…